Le révolte

Definitivamente, os homens são todos iguais!

(Está bem, abro exceção para alguns… vai)

Anúncios

Para se roubar um coração

Para se roubar um coração, é preciso que seja com muita habilidade, tem que ser vagarosamente, disfarçadamente, não se chega com ímpeto,
não se alcança o coração de alguém com pressa.
Tem que se aproximar com meias palavras, suavemente, apoderar-se dele aos poucos, com cuidado.
Não se pode deixar que percebam que ele será roubado, na verdade, teremos que furtá-lo, docemente.
Conquistar um coração de verdade dá trabalho,
requer paciência, é como se fosse tecer uma colcha de retalhos, aplicar uma renda em um vestido, tratar de um jardim, cuidar de uma criança.
É necessário que seja com destreza, com vontade, com encanto, carinho e sinceridade.
Para se conquistar um coração definitivamente
tem que ter garra e esperteza, mas não falo dessa esperteza que todos conhecem, falo da esperteza de sentimentos, daquela que existe guardada na alma em todos os momentos.
Quando se deseja realmente conquistar um coração, é preciso que antes já tenhamos conseguido conquistar o nosso, é preciso que ele já tenha sido explorado nos mínimos detalhes,
que já se tenha conseguido conhecer cada cantinho, entender cada espaço preenchido e aceitar cada espaço vago.
…e então, quando finalmente esse coração for conquistado, quando tivermos nos apoderado dele,
vai existir uma parte de alguém que seguirá conosco.
Uma metade de alguém que será guiada por nós
e o nosso coração passará a bater por conta desse outro coração.
Eles sofrerão altos e baixos sim, mas com certeza haverá instantes, milhares de instantes de alegria.
Baterá descompassado muitas vezes e sabe por que?
Faltará a metade dele que ainda não está junto de nós.
Até que um dia, cansado de estar dividido ao meio, esse coração chamará a sua outra parte e alguém por vontade própria, sem que precisemos roubá-la ou furtá-la nos entregará a metade que faltava.
…e é assim que se rouba um coração, fácil não?
Pois é, nós só precisaremos roubar uma metade,
a outra virá na nossa mão e ficará detectado um roubo então!
E é só por isso que encontramos tantas pessoas pela vida a fora que dizem que nunca mais conseguiram amar alguém… é simples…
é porque elas não possuem mais coração, eles foram roubados, arrancados do seu peito, e somente com um grande amor ela terá um novo coração, afinal de contas, corações são para serem divididos, e com certeza esse grande amor repartirá o dele com você.

Luís Fernando Veríssimo

Fotografia de: Robert Doisneau, Le Basier de L’Hotel de Vilne , 1950. p.s. Amo está foto!


iMUNDO

Em torno de mim observava um mundo na qual não me interessava, mas que estava ali, eu estava dentro dele. Um mundo sujo onde as pessoas nascem egocêntricas ou se tornam, e depois morrem. Um mundo de mentes desastrosas que resultavam em catastrófes, também surgira uma dimensão de confrontos socias, por isso que eu vim pra cá. Eu via árvores sendo derrubadas sem precisão, e sangrando. Via animais aos cantos como se estivessem chorando, e estavam… Via um céu cinza que não era o meu e os olhares das poucas crianças eram contingentes. Haviam marcas no rosto das mulheres, olhos aflitos e marejados.

Muita fumaça e isolamento, lixo e um tormento da política mal resolvida. Minha mente não compreendia tamanha difamação e o quanto a vida se esvai, quantos corpos caem, tetos que desabam, mar que esvazia, contentamento que se perde no vácuo, no repentino, um disparate. Sorriso mentiroso, abraço também… beijo então…

Palavras e discórdias, uma platéia imóvel que assistia com os olhos fixos e perplexos a tal cena de terror. Ah, quem dera se tudo isso fosse ficção e só nossos sonhos fossem a razão e o verdadeiro triunfo…

Existe uma disputa inapropriada dos “monsters” engravatados e que tentam alimentar a mentira com a carga do sorriso fácil e do roteiro igualado. Somos todos “condenados”, de algum modo. Tudo se torna o mesmo texto, a mesma situação. Questionamos a mudança que prometem e deixam como o primeiro plano, que se torna por vezes e vezes nada. Nada feito, nada dito… Eu pensava muito nisto quando estava neste mundo de propostas incertas, este mundo de pessoas normais…

Me encontro e me perco neste cubo branco, tenho lírios, quadros, um copo de cristal e um livro que não terminei de ler. Ainda ouço o canto lírico dos pássaros sofridos, ainda respiro, ainda canto.

Mas minha mente continua…

– Lola

Vilarejo

Marisa Monte
Composição: Marisa Monte, Pedro Baby, Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes

Há um vilarejo ali
Onde areja um vento bom
Na varanda, quem descansa
Vê o horizonte deitar no chão

Pra acalmar o coração
Lá o mundo tem razão
Terra de heróis, lares de mãe
Paraíso se mudou para lá

Por cima das casas, cal
Frutos em qualquer quintal
Peitos fartos, filhos fortes
Sonho semeando o mundo real

Toda gente cabe lá
Palestina, Shangri-lá
Vem andar e voa
Vem andar e voa
Vem andar e voa

Lá o tempo espera
Lá é primavera
Portas e janelas ficam sempre abertas
Pra sorte entrar

Em todas as mesas, pão
Flores enfeitando
Os caminhos, os vestidos, os destinos
E essa canção

Tem um verdadeiro amor
Para quando você for

Há algo em ti


Há algo em ti

Há algo em ti que me fascina. Que me dá vontade de sorrir. Há algo no teu olhar que me intimida. No teu toque que me perturba.
Há algo na tua postura que me chama à atenção. Há algo em ti que me faz ver-te no meio da multidão. Admirar-te. Querer-te. Desejar-te…
O teu sorriso prende-me aos teus lábios, a tua forma de falar ao teu rosto. O teu olhar é como me penetrasses ali, naquele momento…
Não sei explicar o que fazes e como o fazes. Sei que há algo em ti… Há algo em ti que me deixa louca… Louca de desejo, de paixão. Louca por te ter. Ali mesmo, naquele instante. Louca por te ter só para mim.

Obs. este poema eu furtei de outro blog, não sei o nome do autor, pois não estava assinado. Mas é belo!

Machado de Assis

As melhores mulheres pertencem aos homens mais atrevidos.
Mulheres são como maçãs em árvores. As melhores estão no topo.
Os homens não querem alcançar essas boas, porque eles têm medo de cair e se machucar. Preferem pegar as maçãs podres que ficam no chão, que não são boas como as do topo, mas são fáceis de se conseguir. Assim, as maçãs no topo pensam que algo está errado com elas, quando, na verdade, ELES
estão errados… Elas têm que esperar um pouco para o homem certo chegar, aquele que é valente o bastante para escalar até o topo da árvore.

Machado de Assis

Uns versos

Sou sua noite, sou seu quarto
Se você quiser dormir
Eu me despeço
Eu em pedaços
Como um silêncio ao contrário
Enquanto espero
Escrevo uns versos
Depois rasgo

Sou seu fado, sou seu bardo
Se você quiser ouvir
O seu eunuco, o seu soprano
Um seu arauto
Eu sou o sol da sua noite em claro,
Um rádio
Eu sou pelo avesso sua pele
O seu casaco

Se você vai sair
O seu asfalto
Se você vai sair
Eu chovo
Sobre o seu cabelo pelo seu itinerário
Sou eu o seu paradeiro
Em uns versos que eu escrevo
Depois rasgo

Adriana Calcanhoto