Archive for the ‘ Uncategorized ’ Category

cont

 

Estávamos entrelaços, com forma e cor.
Suas mãos estavam frias, na verdade geladas… eu tentava guardá-la, mas aquele lenço tão fino não a fazia parar de tremer, nem meu casaco de algodão, nem tanto meu braço paterno.
Seus olhinhos mexiam, queria dormir mas não conseguia… se movia, eu dizia: Estamos chegando, mais um pouco estamos chegando.
E a balançava levemente, docemente. Cantarolando baixinho…

Little girl lilac scarf,
look forward to, worry no more
Look at me, look at the sky …
sleep well
tonight is your

:::em construção:::

 

Friday

Fim de tarde cinza

Meus olhos estão ardendo, estou ouvindo Elvis e lendo crônicas… só faltou o whisky.

Matutino

 

Minha parte preferida é quando você acorda… meio perdido e assustado.
Com olhos de peixe morto! Atordoado, então te abraço…
abraço-te com tua própria camisa que se amarrotou ao corpo meu.
Logo ligo o rádio, e coloco na estação que você adora… baixinho, pouco se nota.
Cafeína, chá de camomila… torrada queimada, alguma fruta.
Torrada que eu mesma queimei, e junto a ponta do meu polar direito.
Abro a janela e você tapa os olhos, logo diz para eu fechar. “amor! Estás louca?
É de madrugada!” Marrento! São 8 horas da manhã! Levante!
Vamos aproveitar essa manhã incandescente…
Olha, olha para a fora, veja, quantas cores e como o sol nos olha!
Deixe de coisa, levante! Vamos!
E você continua deitado com os olhos de peixe morto e marrento. Desta vez com o travesseiro grudado, quase te sufocando o rosto… Mas ainda sei que está com os olhos de peixe morto.

L.O

Um choro entre a janela e o asfalto

Crianças choram a procura de seus pais no vilarejo de Kiwanja, no leste do Congo. O frágil cessar-fogo dos rebeldes aliados a Laurent Nkunda contra o governo congolês não foi respeitado.

Parte-me o coração ver uma inocente criança aos prantos…
Parte-me ver aqueles olhinhos marejados e com sede, sede de vida.
Parte-me o peito vê-los questionando sobre seus pais
e uma lágrima profunda e silenciosa se apodera de mim, e a noite retorna e me questiona.

Por que o ser humano se tornou isto?
Por que então, aqui é o lugar onde as garotas boas morrem?
Os homens, os meninos, meninos descalços e com sede e com fome, e medo, e tormento…

Por que eles não lutam entre eles mesmos?
Por que se jogam sobre o chão de cimento, de terra, os inocentes?
Esse é o medo, o breu de cada um…

Teimo, penso, repenso.
se torna um peso, um desatino constante em mim.
Eu penso na vida uma, duas, três vezes ao dia.

Penso nos meninos, nos animais… na dor da mãe e do pai.
Penso em mim, e nos outros, pobre de cada um.
E não refiro-me a dinheiro
E sim, como somos pobres de paz.

Refiro-me a ausência de vida, o desespero mental suportado, exposto  e arrematado.
O coração apertado, depois o alívio do respirar.

A vida se tornou um acaso em questão.
O sorriso um esmo…
E o sofrimento alheio atingem aqueles que ainda
pensam como eu.

Assim como um sorriso sobrevivente.

Lola Ollive

J’ai juste besoin de garder

Ainda que pudesse resistir a teu amor
Eu não conseguiria
pois eu fujo de mim, já não me guardo
e te guardo inteiramente.
Já não traduzo a noite nem suas sobrelinhas…
E só em ti encontro o sentido das coisas, amores, cores e aromas
E tu só precisas ficar e me guardar em ti também.

Lola Ollive

I Can’t Help Falling In Love With You

Não consigo evitar de me apaixonar por você

Homens sábios dizem que só os tolos se entregam por amor
Mas eu não consigo evitar de me apaixonar por você
Eu devo permanecer? Seria isto um pecado?
Se eu não consigo evitar de me apaixonar por você

Como um rio que corre naturalmente para o mar
Querida, desta mesma forma algumas coisas estão destinadas a acontecer
Tome minha mão, tome minha vida inteira também
Já que eu não consigo evitar de me apaixonar por você
Como um rio que corre naturalmente para o mar
Querida, desta mesma forma algumas coisas estão destinadas a acontecer
Tome minha mão, tome minha vida inteira também
Já que eu não consigo evitar de me apaixonar por você
Já que eu não consigo evitar de me apaixonar por você

By: Presley

Fanny and John